05/11/2011

Insuficiências

Eu gosto de escrever. Bobagens. Coisas que sinto, que penso, que vejo ou quero ver, faço ou quero fazer. Seja no blog, num email para alguém, ou por aí. 

Mas – e ainda que as palavras escritas valham muito – vejo,  nem sempre elas chegam da mesma maneira que saem de mim. Ouso dizer que quase nunca.

Eu posso sentar aqui, colocar o mais lindo concerto para tocar e começar a escrever o que de mais intimo eu tenho, esvaziar a minha alma. Posso escrever com paixão, amor, raiva, dor, ironia ou com o peito ardendo de felicidade. Posso colocar uma letrinha depois da outra, até que formem palavras e frases e parágrafos, mas não posso colocar minhas mãos que tremem, ou meu choro, meu riso, minha hesitação, a respiração acelerada ou minhas pausas.  

Tudo pode ser interpretado de qualquer forma. Talvez de acordo com o estado de ânimo de quem lê. O meu mais bonito pode vir a parecer áspero e ressequido.

São palavras sós.  Não vão acompanhadas da melhor – ou da pior – parte de mim. Faltaram os olhos, o som, a entonação, o toque, a expressão.

A escrita não dá conta das delicadezas.

8 verbalizaram comigo:

Claudia disse...

Mas é uma virtude traduzir para a escrita suas ideias ainda que não possamos "ver" todos os sentimentos (será que não?)
Acho que só de externar nossas aflições, tiramos parte delas de dentro de nós e é um alívio.

Da minha parte não tenho essa habilidade e sempre sou tomada pelo texto que me leva, quase sempre, pra um outro caminho...quem sabe é o verdadeiro eu que está escrevendo e o texto inicial era fruto das minhas máscaras...
Veja o que escrever e trocar ideias faz, revelações.
bjs e um ótimo final de semana!

Jaque ઇ‍ઉ disse...

Taís, você descreveu exatamente como é isso! Conversar pelo computador está cada vez mais comum, mas é difícil passar todas as sensações e expressões exatas do momento.

E quantas vezes as pessoas já interpretaram errado o que eu disse. Faz parte...

Nada melhor do que uma conversa por telefone ou pessoalmente ^^

Beijo Taís, bom final de semana!

Taís disse...

Claudia: sem dúvidas para mim funciona assim. E ainda que talvez não alcance o outro com toda dimensão, serve-me até para ajudar a entender algumas coisas. Bjos.

Jaque: é justamente isso. Nada substitui o contato pessoal, o olho no olho. Uma mesma frase pode querer dizer um tanto de coisas diferentes, e isso, só escrever não alcança. Bjos

Ótimo final de semana meninas!

Luna Sanchez disse...

Como diz a bela Viviane Mosé, "a palavra, nela mesma, não diz nada. O que diz é o acordo estabelecido entre quem fala e quem ouve. Quando esse acordo se quebra ninguém diz mais nada, mesmo usando as mesmas palavras."

;)

Um beijo.

Taís disse...

Luana: tem toda razão a Viviane Mosé... Bjos

Nah disse...

Verdade! Onde está o botão curtir, do facebook? rsrs'
*brincadeira*
ótima semana pra vc, Taís! ^^

Taís disse...

Nah: é... o face acostuma mal... rsrs.
Ótima semana pra vc tb!
bjos

Anônimo disse...

Moça,
1 indireta
1000 atingidos
e o alvo nem leu.
Entendeu?
Saudaçoes.